Um dia chuvoso

Posted on 23/10/2011

0


Chove e faz frio la fora. E nesses tempos, pensamos, um exercício constante em mim. Pensar é fundamental para o ser humano. Assim como o sexo, apesar dessa pratica ser contra em certas religiões. Infelizmente pensamos mais do que fazemos sexo, pelo menos no meu caso, o que me leva a pensar que devo fazer um upgrade no meu caderno de telefones, se é que alguém ainda usa isso.

E enquanto não consigo nenhuma conexão para os meus prazeres lúbricos, penso na existência.

Me falta fé, a fé religiosa do acreditar em um Deus. Na verdade me falta alguém a quem considerar Deus. Talvez seja assim a vida. Somos seres grandiosos e insignificantes ao mesmo tempo. Microscópicos diante da enormidade do Universo e no entanto grandiosos pelo fato de termos noção dessa insignificância. Somos soberbos por acharmos que sabemos tudo e as vezes temos algum surto de humildade e nos damos conta que nada sabemos ou pelo menos que não sabemos tudo.

Eu me pergunto em quem o em que eu acredito, essas perguntas que assaltam a alma em dias chuvosos e frios cheios de melancolia como hoje. O silencio das ruas, o deserto de gente enseja o pensar e inspira uma reflexão sobre o que somos. O que sou.

Eu sou um sujeito que fica maravilhado com as descobertas cientificas. Talvez porque nas descobertas me dou conta do enorme desconhecimento sobre tudo que nos cerca e tudo que existe. A duvida é uma arma do conhecimento assim como a certeza é um instrumento que seduz e leva a boçalidade galopante.

Deus existe? Qual o conceito de Deus?

Uma definição simplista é a de um ser ou algo que é responsável em ultima analise por tudo que existe, inclusive nós. Uma entidade diferente de nós mas que é responsável pela nossa concepção, pela nossa alma.

Todos os descobrimentos tem alguma explicação lógica e todos eles se amarram e tem algum tipo e conexão entre eles.  O que não conhecemos não é suficiente para emprestar a este desconhecimento uma deidade.

Mas por outro lado, a imensidão do Universo que é difícil de imaginar é algo que me faz pensar.

O Universo começou no big bang ou então sempre existiu e cresce. Na nossa concepção de tempo espaço, vc só pode crescer se tiver espaço para crescer. Crescer significa, na nossa concepção, conquistar um espaço que antes não era nosso. Nessa concepção, para onde diabos o Universo cresce? Essa maluquice ou esse desconhecimento o que vem a dar no mesmo, eu não consigo entender e para mim cria uma duvida sobre a existência de um Deus ou de algo. A mesma coisa com o tempo. Calculamos que o nosso Universo tem uns 15 bilhões de anos. E antes havia o que?

Chego a conclusão que o que me faz crer é o desconhecimento. A falta de capacidade em entender uma coisa que foge a minha lógica e aos meus conceitos de espaço tempo. É uma fé no desconhecido.

É o lema socrático. Eu sei que nada sei e o nada saber é a minha fé.

O que é a morte? Para onde vamos? Em que nos transformamos? O que éramos? A nossa alma continua existindo? È possível então que a nossa percepção continue existindo? E porque de repente passamos a existir?

Ao morrermos a nossa alma continua a existir e isso quer dizer que somos eternos? Mas a eternidade concebe o existir eternamente. Não concebe ter nascido, se não, não seriamos eternos. E no entanto nascemos. Ou não? Será que temos apenas uma consciência do nosso nascimento?

Pode ser que esta nossa vida seja apenas um breve hiato em uma existência eterna cheia de pequenos hiatos.

Quando eu não sei e eu admito que não sei, tudo é possível. Hoje em dia o que eu sei é mais ou menos a totalidade do conhecimento humano. Posso não saber em detalhes certas coisas mas é só pesquisar na internet e pronto. Já sei e não sou diferente da maioria da população humana, que tenha acesso a internet, claro.

O que nos leva a pensar que o desconhecimento é apenas uma descuido, algo temporário que esta esperando o descobrir, seja pela internet, pela pesquisa ou por pura sorte. Se considerarmos o Universo e todo o conhecimento que ainda esta pra ser descoberto como uma enorme e gigantesca Wikipédia especial e completa, isso nos leva a pensar quem diabos fez tudo isso?

Dentro do nosso conceito e lógica alguém tem que ter feito. Não é possível que seja geração espontânea.

E quem fez? Com que propósito?

O que nos leva a uma constatação lógica. Dentro do nosso conceito lógico e espiritual, Deus, o conceito de Deus esta sempre presente.

Simples assim. Não digo que a crença nele esteja estipulada. Mas o conhecimento e o desconhecido é obra de alguém. Seja o acaso ou um Deus, alguém fez. Mesmo o conceito de ninguém, dentro da nossa lógica, é alguém. Tem gente que acha que o Universo é na verdade um enorme caos, um carnaval na zona e nada faz sentido. Geralmente o que não conhecemos não faz sentido. Mas é engraçado notar que ao conhecermos, constatamos uma certa lógica nesse recém adquirido conhecimento.

E o conceito de Deus nada tem a ver com as religiões. A fé é algo muito pessoal e parte da nossa única construção de lógica misturada a espiritualidade. A religião tenta me vender uma espécie de reserva de mercado dessa mesma lógica e espiritualidade.

Eu só tenho uma única religião. A minha total e sincera solidariedade para com meus semelhantes independente de suas diferenças.

Alguém liga. Ela. Sinto que o dia não esta perdido. Vamos parar de pensar um pouco e voltar a ser epidérmico.

Anúncios
Posted in: OPINIÃO