O fim do ano

Posted on 02/01/2012

0


A hipocrisia e o cinismo são uma merda. Às vezes eu desisto do natural comportamento de toda manhã que é o de ler os jornais antes das abluções. Aqui no Rio, por falta de opção só conseguimos ler O Globo. O resto das mídias são apenas noticias sobre as bundas, as bostas e as mazelas de gente que diz que quer ser anônima mas frequenta os lugares onde os paparazzi se concentram e como não podia deixar de ser, são manchetes não muito comprometidas com o que melhor estes personagens podem ter.

Até ai nada demais. Ha gostos pra tudo até para o que de pior o ser humano é capaz.

Na TV não é nada diferente. Somos obrigados a aturar comportamentos imbecis de personagens idem. Quem atirou em quem, onde e o que causou, como se isso fosse remotamente importante. Nesse caso do Adriano o que mais surpreende, vendo a foto das meninas que estavam no carro é o tiro ter atingido o dedo mindinho. Pela voluptuosidade de outras partes do corpo das meninas em questão o dedinho era o alvo menor, o que demonstra uma pontaria fantástica ou uma preservação bundal, sei la.

O ultimo Fantástico de 2011, que de fantástico só tem o nome tem dois novos apresentadores. Uma prima longínqua da Wilsa Carla e um soturno e sombrio apresentador que parece que vai chorar no minuto seguinte ou anunciar o fim do mundo, o que vier primeiro. Os roteiristas dos quadros devem ter saído todos de férias ou, pior, estavam la. O resultado foi espantoso. Um dos principais quadros mostrou dois personagens distintos. Uma era uma patricinha que foi ao nordeste cuidar de crianças pobres, duas coisas que ela nem sabia que existiam. Foi emocionante ver trocar fraldas de criancinhas que já produzem merda em quantidades espantosas em cenas bem explicitas. Altamente instrutivo e imagens de rara beleza. Pra quem já tem TV com cheiro deve ter sido uma experiência única. O interesse dela nos seus novos afazeres, a expressão vazia e monocromática de seu rosto, eram uma benção e uma beleza de puro imobilismo. Nesse espaço de tempo, pudemos todos tirar uma boa soneca. O outro boçal era um sujeito que era acompanhado por uma seguidora de uma estranha dieta com um nome mais estanho ainda que não permite a ingestão de nada animal. Nem mesmo o seu acompanhante. Não foi explicado se isso inclui também o cruzamento sexual, se bem que nesse caso comer tem um outro significado, na minha opinião, mais prazeroso. Na cena final, depois de conselhos de nojo e amargura sobre opções de comida onde tudo é proibido, segundo a natureba, o sujeito com uma inteligência de uma lesma bem animal, não entendeu nada e convida a leguminosa a comer em uma churrascaria, onde ele ataca tudo que um dia se mexeu e ela se delícia com prosaicas verduras. Não nota uma pequena lesma que passeava pelas suas folhas e ingere o nojento inseto, sem notar. Uma matéria fundamental.

Outros dois quadros chamaram a atenção. Um onde pessoas recriam fotografias atuais relembrando instantes de fotos antigas. Pela importância e pose das fotos antigas é tão interessante quanto receita de esquentar água e a beleza dos enquadramentos e figurinos é digno de um sonoro e bem dado pontapé no saco. O outro é a ceia de natal do Kubrusky cujo nome começa mal. O primeiro peru oferecido a pessoas que trabalham no natal foi de uma originalidade espantosa. O sujeito entregou um peru a cozinheiros em um restaurante. Dizem que no próximo capitulo vão entregar sacos de lixo ao pessoal da comlurb e merda em pó a associação dos urubus anônimos.

E que diabos de roupa é essa da apresentadora? O sujeito que cuida dos figurinos devia estar de ressaca ou tem raiva dela e escondeu os espelhos ou então ela tava grávida. Dizem que televisão engorda as pessoas e no caso devem ter usado umas 100 televisões nela.

A outra reportagem do Ku era sobre mensagens surpresas de parentes longínquos. O que tem de interessante a mensagem de alguém que eu nem sei quem é com outra que sei menos em um período de vida que tem a importância de uma tartaruga se movimentando e se emociona por algo que não sei o que é, eu não consigo entender e nem me interessa. Não podia faltar a originalíssima mensagem do papa em português e juro ter visto seus olhos se revirar em luxuria quando citou as criancinhas. Termina com mensagens engraçadas dos atores globais onde se esqueceram das graças e mensagens extremamente originais onde todos desejam muita paz, muito amor e principalmente muita saúde. Engov rápido.

A seguir uma prévias das próximas atrações no primeiro fantástico de 2012 com previsões do Nostradamus, dos babalorixás, dos economistas e dos apresentadores e do anão do jardim com igual importância e seriedade.

Uma coisa a Globo se esqueceu de mencionar. Na reportagem sobre os bicheiros acuados e procurados, uma rápida imagem sobre a cobertura na av. Atlântica do bicheiro de Nilópolis. Essa cobertura era do Roberto Marinho e foram eles que venderam ao tal bicheiro. Apenas um dado jornalístico.

E agora, como sempre as venturas e desventuras sobre a mudança do ano. E nada muda e quando muda se esquecem de deixar o novo endereço, ou o que é pior, mandam.

No primeiro Fantástico do ano a mediocridade continuou. Um parênteses para a interessante reportagem sobre o antropologista americano com um pequeno senão. Uma camisa rápida pro sujeito, afinal TV também é estética.

A reportagem sobre os velhinhos e seus passeios me deprimiu. Velhinhos é o cacete. O dia que eu for a uma dessas excursões vai ser nas excursões das termas do Rio.

A reportagem sobre o Eike lembra aquela anedota do Rockfeller e a origem de sua fortuna. Começou pegando uma maça, lustrando e vendendo por um preço maior e comprando mais maçãs, lustrando todas elas e vendendo e assim por diante até que recebeu uma herança de 100 milhões de dólares de um tio.

A analogia sobre a sua fortuna e o que isso representa em carrinhos de supermercado cheios de dinheiro cobrindo a ponte rio Niterói provocou uma corrida histérica de todos em direção a ponte. Candidamente ele conta as suas experiências do seu começo nas minas de ouro na Amazonas e resalta que teve problemas logísticos, entre outros, com os seres humanos, esses pentelhos chatos. Não entendi muito bem que problema logístico poderia ter com seres humanos, vai ver eles não tinham muita resistência pra trabalhar em condições de merda, mas a minha ignorância se deve ao fato de eu não ter nenhum carrinho de supermercado cheio de grana.

Agora uma coisa é verdade. O implante de seus cabelos ficou uma merda. Parece Bombril reciclado. Mas parece ser um bom sujeito pra se ter como avalista.

Não posso comentar o resultado de sua cirurgia plástica porque antes só conhecia a Luma que nunca precisou de nenhuma plástica.

O Robert Redford sempre disse que nunca fará cirurgia plástica. Vai envelhecer com suas rugas e pelancas caídas. Claro que se eu fosse o Robert Redford ou a Luma também pensaria igual.

E assim começamos um ano novo que segundo os maias, será o ultimo. O deles já foi há muito tempo, extintos que estão.

Será o ano ideal pra se pegar credito. Eu acho que não é o mundo que acaba. O que acaba é outra coisa. Sei de fontes seguras.

Mas isso é uma outra estória.

Anúncios
Posted in: ASSIM É A VIDA